Finalidade deste Blog

Olá, seja muito bem-vindo ao meu blog. Nele você encontrará textos de vários autores, inclusive o meu, é claro. Decidi fazer este blog para expressar meus pensamentos e minhas quimeras. Também estarei compartilhando mensagens bíblicas em texto e audio. Meu desejo é que você seja edificado. Então, deixe seu comentário e vejamos como nos edificaremos.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Vivendo como Filho de Deus

"Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam. Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus"  Jo 1.11-12

No Evangelho de João, Jesus é apresentado como o Verbo de Deus que existiu desde a eternidade com Deus e que se fez um ser humano, mostrando assim o amor e a verdade de Deus. 

O autor diz que o propósito deste Evangelho é fazer com que os leitores creiam que Jesus é o Messias, o Filho de Deus, e que, por meio dessa fé, tenham vida (20.31)

Na primeira parte do Evangelho, o autor trata principalmente dos milagres que Jesus fez (caps. 1—11). Esses milagres são sinais, isto é, eles mostram quem é Jesus e qual a razão por que Ele veio ao mundo. O maior desses milagres é a ressurreição de Lázaro, pela qual Jesus mostra que ele é a ressurreição e a vida (cap. 11). Outros milagres demonstram que Jesus é o pão da vida (6. 22- 71), é a luz do mundo (8. 12- 20) e é aquele que dá vida às pessoas (11. 25- 26). Os milagres provam também que Ele recebeu autoridade de Deus para julgar todos os seres humanos (5.19- 30).

A segunda parte deste Evangelho (caps. 12—21) fala da ligação que existe entre Jesus e os seus seguidores. Fala também dos ensinamentos que Ele lhes deu e da promessa de que, depois que Ele fosse embora, viria o Espírito Santo para ensinar-lhes toda a verdade a respeito de Jesus. 

E o Evangelho termina contando o julgamento, a morte, a ressurreição e as aparições de Jesus.

Dado o seu propósito principal, duplo, qual seja: apresentar Jesus como Deus e Senhor de tal maneira que os leitores creiam para que tenham vida em Seu nome…

Aconteceu algo curioso e que acontece muito do mesmo hoje em dia, a saber, o mesmo que está no v.11: 
“Veio para o que era seu, e os seus não o receberam”.

Recentemente assisti o video que viralizou anos atrás do professor da UNICAMP, Leandro Karnal.

Nele, o professor dizia que é possível que estejamos vivendo em um momento mais religioso da história, haja vista a variedade de manifestações religiosas atuais. Congressos, associações e etc.

Segundo ele, parte disso é por causa do que ele chamou de “homem líquido”, o ser humano que dá muito pouca importância a algo que não lhe favoreça. 

Talvez ele estivesse seguindo o discurso de Zygmunt Bauman em que formulou o conceito de "relações líquidas" nos seus livros como Amor Líquido, onde as relações amorosas deixam de ter aspecto de união e passam a ser mero acúmulo de experiências e interesses particulares.
Uma espécie de utilitarismo relacional...

Vale, então, nesse conceito, o que se experimenta ou o que é útil para, pelo menos, um dos envolvidos...

E quanto maior o número de experiências melhor. 

Dessa forma, o homem vai se diluindo nessa variedade de experiências onde ele deixa de ter um absoluto em que se firmar.

Ainda segundo o professor, ele disse que o maior desafio religioso é cristianizar os cristãos. 

“Como enfrentar um ambiente que é formalmente religioso e que na prática é completamente egoísta e alheio a quaisquer desafios religiosos possíveis?” 

Daí, ele arremata:

 “Como falar de Deus para quem tem Deus no carro, na casa e na camiseta, mas só não tem no coração e na atitude!” 

Talvez o que se pode dizer disso, é:

Como apresentar Jesus para aqueles que são dEle em toda a sua religiosidade subjetiva e íntima, mas que na prática o rejeitam?

Sim, há muita rejeição de Jesus entre nós, cristãos.

Rejeita-se Jesus quando recebe um mandamento de:
> perdoar e não perdoa;
> entregar o dizimo e acaba retendo o que é do Senhor;
> de se abster de certos comportamentos, mas prefere relativizar a moral do que obedecer a Deus;
> pessoas que estão mimadas, que nunca podem ser contrariadas com nada que desperta logo uma indignação sem tamanho nas vidas delas que as fazem protestar, blasfemar, brigar e etc.

Enfim, são tantas as maneiras que demonstram que uma pessoa que se diz cristã pode estar, na verdade, rejeitando o Senhor…

Porém, se de um lado temos os que rejeitam Jesus, do outro temos o que se diz no v. 12
“Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome” Jo 1.12
Ao que parece há uma diferença entre filho e filho. Discípulo e discípulo.

Existem os discípulos que ouviram Jesus, seguiram seu caminho até certo ponto e depois o abandonaram (Jo 6.66)

Existem filhos que respondem diferentemente ao mesmo estimulo e ensinamento.

Existe Absalão e Salomão (Davi)

Esaú e Jacó (Isaque)

Filho pródigo e filho mais velho (parábola)

Enfim…
Os verdadeiros filhos de Deus...
Tocados e selados pelo Espírito Santo, que tem vida autenticada e legitimada pelo Senhor que começou a boa obra em seu coração e completará pelo Seu Poder e Autoridade.

São homens e mulheres que receberam Jesus em seu coração e prática de vida

São pessoas que perceberam que diante de si estava o Senhor dos senhores

Que seu discurso era cheio de autoridade e graça, ao contrário dos escribas e fariseus

Que seu toque é toque de poder que sara, cura, transforma e capacita a vencer o inimigo

Enfim, receberam Jesus como Senhor de suas vidas e viveram conforme seus ensinamentos.

Diante disso, quero compartilhar o seguinte tema:

Vivendo como filho de Deus

Como é a vida daquele que recebe Jesus em seu coração e vida prática?


1. É uma vida consciente da sua condição pecadora

“mas, no meio de vós, está quem vós não conheceis, o qual vem após mim, do qual não sou digno de desatar- lhe as correias das sandálias” 
(Jo 1:26-27 RA)

“No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” 
(Jo 1:29 RA)

2. É uma vida consciente da graça de Deus

Consciência da graça de Deus é viver uma vida sabedora dos conflitos existentes em cada um de nós. 

Entre o bem que quero fazer e não o faço, e o mal que não quero fazer, mas esse eu faço.

Daí, nessa dinâmica conflituosa, o discípulo de Jesus, o filho de Deus, vive a experiência de não ser tratado segundo o pecado que ainda o pega nas curvas da vida. 

Vive dando graças a Deus por Jesus Cristo, pois por meio dele não é mais escravo do pecado, mas da lei de Deus e essa lei de Deus é vivida em Cristo, na força de Cristo, na justiça de Cristo, nos méritos de Cristo…

Consciente que pela graça somos salvos, e também os que recebem de Cristo, pelo Espírito Santo, o toque de salvação…

Graça que nos leva a viver uma vida sem legalismo, falsos moralismos, a perceber que o Senhor ministra em nós conforme a soberana vontade dEle…

Somos, ao final de tudo, como escreve Brenan Manning., maltrapilhos...

Totalmente dependentes de Deus...

E essa graça está sendo oferecida a nós... 
No amor provado na cruz...
Na misericórdia renovada a cada manhã...


3. É uma vida de obediência à Palavra

A obediência à Palavra de Deus evita que transformemos a graça de Deus em graxa de religião. 

A obediência à Palavra nos dá o discernimento de que:

“pela graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã…” 1Co 15:10 RA
A obediência à Palavra evita que nos tornemos cristãos carnais, cedidos aos desejos da nossa carne, rendidos à vontade ainda inclinada ao pecado…

A obediência à Palavra considera a vida permeada pela graça e misericórdia de Deus, envolvida pelo Amor Eterno do Senhor, mergulhada no zelo a cuidado do Eterno…

A obediência à Palavra evita o afastamento do sistema ético-moral do Reino, nos coloca no caminho das boas obras que devem ser praticadas, na solidariedade, na honestidade, peso justo, medida justa...

A obediência à Palavra nos leva a viver os valores e princípios do Reino de Deus, paz, amor, bondade, respeito ao próximo, trabalho árduo, vivermos como irmãos e em comunhão, suportarmos uns aos outros em amor e graça…

Enfim, nos faz perceber que a Lei de Deus é boa, perfeita e justa. E que se um dia repugnamos a Lei, hoje, pelo Espírito, amamos os mandamentos do Senhor…

Se um dia estávamos impedidos de cumprir a Lei, hoje somos capacitados pelo Espírito Santo a nos deleitarmos como o salmista no Salmo 19

A lei do Senhor é perfeita
e restaura a alma;
o testemunho do Senhor é fiel
e dá sabedoria aos símplices.
Os preceitos do Senhor são retos
e alegram o coração;
o mandamento do Senhor é puro
e ilumina os olhos
(Salmo 19:7-8 RA)

O filho de Deus ama essa Palavra
Às vezes desce doce como o mel
Às vezes, amargo como o fel
Mas, em todos os casos ela é remédio para nossa alma, luz para o nosso caminho e água para nossa sede de Deus ...

4. É uma vida cumpridora da missão

O filho de Deus sabe que existe uma missão a ser cumprida…

Ele ouviu o que Jesus disse depois de ter soprado sobre eles o Espírito Santo…

Ele leu sobre a oração sacerdotal de Jesus ao orar ao Pai dizendo que assim como por Ele foi enviado ao mundo, Ele, Jesus, estava enviando seus discípulos…

O filhos de Deus tem a mesma consciência do Apóstolo Paulo:
“Se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois sobre mim pesa essa obrigação; porque ai de mim se não pregar o evangelho! Se o faço de livre vontade, tenho galardão; mas, se constrangido, é, então, a responsabilidade de despenseiro que me está confiada” 1Co 9:16-17 RA

Há uma missão a ser cumprida pelos filhos de Deus!

Proclamar o Evangelho

Anunciar a Salvação

Compartilhar a fé

Expressar o amor de Deus…

Somos tentados a pensar que o mundo precisa só de educação…
Boas políticas…
Obras de Caridade…

Tudo isso é legítimo e pode contribuir para uma sociedade mais justa e boa...

Mas, o mundo precisa é de Deus!

O mundo precisa do Evangelho!

Essa é a missão que Deus nos deu… 

Mostrar ao mundo que Deus tem uma vida diferente para seus filhos…


Conclusão 

Talvez o professor Leandro Karnal esteja certo… Os cristãos precisam ser cristianizados…

Talvez estejamos vivendo uma liquidez da nossa fé…

Talvez nosso viver cristão esteja diluído em nosso egoísmo, preocupações, bem estar...

Todavia, há quem recebe o Senhor Jesus com o coração aberto…

Há quem o reconhece como seu Senhor e Salvador…

Há quem percebe sua natureza caída, necessidade de nova vida, novo nascimento, regeneração do Espírito Santo…

Há quem foi envolvido pelo Espírito Santo e nasceu de novo…

Há quem recebeu a graça de Deus, vive pela graça, transmite graça e reconhece a graça de Deus em outros filhos do Eterno…

Há quem obedece à Palavra de Deus, cumpre seus mandamentos, faz a Sua vontade, tem prazer nessa Lei que restaura a alma, alegra o coração e ilumina os olhos…

Há quem vive a missão, cumpre a grande comissão de Jesus, vive para transmitir o Evangelho, é um verdadeiro cooperador de Deus, uma trabalhador da seara, um súdito do Reino…

Jesus está aqui hoje, e a exemplo do que está escrito no evangelho de João… que diz:

O que Ele verá aqui nesta igreja?

Filhos que o recebem?

Ou homens e mulheres que o rejeitam?

Discípulos que o abandonam?


Ou discípulos que reconhecem que somente Ele tem as Palavra de Vida Eterna e creem que Ele é o Cristo, o Filho do Deus Vivo…

Forte abraço,
em Cristo,
Marcelo Morais.

Nenhum comentário: