Finalidade deste Blog

Olá, seja muito bem-vindo ao meu blog. Nele você encontrará textos de vários autores, inclusive o meu, é claro. Decidi fazer este blog para expressar meus pensamentos e minhas quimeras. Também estarei compartilhando mensagens bíblicas em texto e audio. Meu desejo é que você seja edificado. Então, deixe seu comentário e vejamos como nos edificaremos.

domingo, 28 de junho de 2009

Que Amor é esse?

TEXTO

Romanos 5:8 – Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.

INTRODUÇÃO

Que amor é esse? Que amor é capaz de perceber todas as ofensas e maldades que uma pessoa possa fazer contra a outra e ainda assim ser perdoada a malfeitora?

Muita gente vive a ilusão de um amor muito sentimental. Mas, amor não é só sentimento. Amor é atitude. Para quem ama, o amor é atitude. Para quem é amado, o amor é sentimento.

Não obstante, a visão infantil e fantasiosa de amor ainda ofusca nosso entendimento do que seja o verdadeiro amor. Às vezes pensamos que o amor é como descrito no conto da Cinderela, que nos leva a pensar que é possível viver sem contendas, brigas, discussões, conflitos, problemas e etc. Outras vezes, como na tragédia de Romeu e Julieta, que por sua vez nos faz pensar que o amor é algo inalcançável. Ficamos submergidos nos problemas e conflitos ao ponto de pensarmos que o amor não existe, ou se existe é impossível de ser alcançado.

Ora, mas “Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”

QUE AMOR É ESSE?


1. É UM AMOR INCONDICIONAL

Deus ama ainda sendo pecadores.

Romanos 5:12 Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.

Romanos 3:23 pois todos pecaram e carecem da glória de Deus.

Eclesiastes 7:20 Não há homem justo sobre a terra que faça o bem e que não peque.

Genesis 6:5 Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração.

Jó 15:14 Que é o homem, para que seja puro? E o que nasce de mulher, para ser justo? Eis que Deus não confia nem nos seus santos; nem os céus são puros aos seus olhos, quanto menos o homem, que é abominável e corrupto, que bebe a iniqüidade como a água!
Salmo 58:3 Desviam-se os ímpios desde a sua concepção; nascem e já se desencaminham, proferindo mentiras.

Agostinho: “O que é inocente nas crianças é a debilidade dos membros infantis, e não a alma.”

João Ubaldo Ribeiro. Autor de livros que viraram novelas e filmes, tais como “Tieta do agreste” e “Deus é brasileiro”:

“Nós vivemos num ambiente de lassitude moral que se estende a todas as camadas da sociedade. Nós somos um povo de comportamento desonesto de maneira geral, ou pelo menos um comportamento pouco recomendável. Se você me acompanhar à rua, a gente pode até fazer uma experiência. A população da Zona Sul do Rio de Janeiro é formada em grande parte de gente da terceira idade. Quando um idoso atravessa a rua, os motoristas de ônibus costumam acelerar em ponto morto, fazendo um barulhão. Eles querem dar um susto no velho, eles querem matar o velho. Já vi fazerem isso com crianças, que acabam saindo correndo [...].” (Revista Veja, João Gabriel de Lima, Edição nº 1905, 18/05/2005).

Khaled Hosseini, escritor do livro “O caçador de pipas.”
O pai de Amir:
“Quando você mata um homem, está roubando uma vida. Está roubando da esposa o direito de ter um marido, roubando dos filhos um pai. Quando mente, está roubando de alguém o direito de saber a verdade. Quando trapaceia, está roubando o direito à justiça. Entende?”

Romanos 3:23 pois todos pecaram e carecem da glória de Deus.

Entretanto, somos amados pelo que nós somos e não pelo que nos tornamos ou pelo que nos tornaremos.

O amor de Deus não é uma arapuca que tenta te pegar e te mudar a força.

Marcos 10:21 E Jesus, fitando-o, o amou e disse: Só uma coisa te falta: Vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu; então, vem e segue-me.

O amor de Deus é incondicional!


2. É UM AMOR MEDICINAL

A baixa auto-estima que assola o coração do homem.

O amor de Deus derruba a auto-estima humana, mas produz uma grande estima pelo Filho de Deus. (Wadislau Martins Gomes)

Impressão que o que nós somos não é suficiente para Deus nos amar.

Que amor é esse? É um amor que cura feridas emocionais.

É um amor curativo, restaurador, medicinal.

Lucas 22:60-62 Mas Pedro insistia: Homem, não compreendo o que dizes. E logo, estando ele ainda a falar, cantou o galo. Então, voltando-se o Senhor, fixou os olhos em Pedro, e Pedro se lembrou da palavra do Senhor, como lhe dissera: Hoje, três vezes me negarás, antes de cantar o galo. Então, Pedro, saindo dali, chorou amargamente.

Jesus e Pedro não são os únicos na noite, mas bem poderiam ser. Jesus está rodeado de acusadores, porém não responde. Está cercado de inimigos, porém não reage. O ar da noite está cheio de insultos, porém Ele não os escuta. Mas deixa um seguidor escorregar, quando deveria estar de pé, e a cabeça do Mestre aponta de repente, e seus olhos perscrutam as sombras, e o discípulo sabe.
“O Senhor olha desde os céus e está vendo a todos os filhos dos homens; da sua morada contempla todos os moradores da terra. Ele é que forma o coração de todos eles, que contempla todas as suas obras” (Sl 33.13-15).
Você sabe quando Deus sabe. Você sabe quando Ele está olhando. Seu coração lhe diz. Sua Bíblia lhe fala. Seu espelho lhe conta. Quanto mais você corre, mais complicada fica a vida. Porém, tão logo você confessa mais leve se torna o seu fardo [...] O segredo ergue uma cerca; a confissão constrói uma ponte. (Max Lucado, Nas garras da Graça, cap.12).

Salmo 32:3-5 Enquanto calei os meus pecados, envelheceram os meus ossos pelos meus constantes gemidos todo o dia. Porque a tua mão pesava dia e noite sobre mim, e o meu vigor se tornou em sequidão de estio. Confessei-te o meu pecado e a minha iniqüidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao SENHOR as minhas transgressões; e tu perdoaste a iniqüidade do meu pecado.


3. É UM AMOR ILIMITADO

Deus é amor e importa que o homem ame ao próximo como a si mesmo, demonstrando o relacionamento de amor existente na Trindade. É interessante notar que a Bíblia trata que deve-se amar a Deus sobre todas as coisa, contudo é impossível amar a Deus em primeiro lugar. Não é confusão, é a lógica divina. A Bíblia traz que o homem só ama porque Deus o amou primeiro, assim, pois, sem o amor de Deus na vida do homem ele não consegue ter nenhuma expressão de amor. Depois, a Bíblia mostra que “se alguém disser: amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê”, ainda diz que o homem deve amar o próximo como ama a si mesmo. Dessa forma, a aplicação do amor segue a seguinte rota: receber o amor de Deus; amar a si mesmo; amar ao próximo como a si mesmo; e amar a Deus acima de todas as coisas.

1 Jo 4:19-21 Nós amamos porque ele nos amou primeiro. Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. Ora, temos, da parte dele, este mandamento: que aquele que ama a Deus ame também a seu irmão.

1 Jo 4:12 Ninguém jamais viu a Deus; se amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor é, em nós, aperfeiçoado.

Melhor dar do que receber.

Que amor é esse? É um amor multiplicador, superabundante, extravagante.
Amor ilimitado!

CONCLUSÃO

Que amor é esse? É o próprio Jesus Cristo!

Lembro-me de Karl Barth que ao ler 1Co 13 troca a palavra amor pela Palavra Jesus.

Que tal você tentar fazer isso? Ao ler, tente sentir o amor de Deus, que está em Cristo Jesus, dentro do seu coração.


Pergunta de aplicação:

Quais tem sido as expressões do amor de Deus na sua vida? Como você as tem sentido?

quarta-feira, 10 de junho de 2009

1º Encontro Regional de Células da Filadélfia - EnCel

Nesse fim de semana experimentamos algo muito bom da parte de Deus para nossas vidas e para a vida da Igreja Presbiteriana Filadélfia. Trata-se do EnCel, Encontro de Células. Neste caso o primeiro Encontro Regional de Células da Filadélfia.

Nele, tive a oportunidade de contar com o auxílio da nossa querida Madalena, membro da Igreja, auxiliar de célula e ótima pessoa para descrever o que acontece ao seu redor. Então, chamei-a para ser uma repórter por um dia, ou melhor, uma noite. Obviamente ela ainda nem sabe que em outras oportunidades será convocada para o exercício deste ofício. Leia o que ela escreveu e verá que tenho razões para convocá-la mais vezes.
Marcelo Morais.



Podemos dizer que às 19h30min do dia 06 de junho de 2009, foi definitivamente quebrado um estigma em nossa comunidade, “coisas maravilhosas também acontecem aos sábados na Igreja Presbiteriana Filadélfia”, além da Rede Jovem, é claro.
Idealizado pela Rede de Células, com o envolvimento de muitos membros, aconteceu o 1º EnCel, Encontro Regional de Células. Foi uma FESTA marcante, onde podia se sentir a presença do Deus Vivo. Irmanados os membros da Igreja sede, juntamente com as Congregações do Jardim Monteiro, Éden e Mairinque, sentimos o agir do Espírito Santo.
Iniciou-se o culto com uma oração, conduzida por Sheyla, onde os irmãos tiveram a oportunidade interceder uns pelos outros.
Na abertura o Pr. Marcelo salientou que aquela Festa tinha sido preparada pelo Povo de Deus, para a honra e glória de Nosso Senhor Jesus Cristo, assim, fez a leitura do Salmo 118, que diz: “Dai graças ao Senhor, porque ele é bom; porque a sua benignidade dura para sempre... Este é o dia que o Senhor fez; regozijemo-nos, e alegremo-nos nele.”
Comentou acerca da força do movimento de células em nossa Igreja, que hoje, após a multiplicação do último mês de abril, conta com 170 grupos, todos imbuídos em alcançar cada vez mais e mais pessoas, multiplicando o povo de Deus.
Com a leitura de Mateus 28.18, trouxe-nos as ultimas palavras de Jesus, escolhidas por Ele com cuidado, pois deixaram um impacto duradouro. Essas palavras ditas pelo próprio Cristo devem ser para nós ordem para trabalhar: “Aos discípulos, Jesus aproximando-se, disse-lhes: ‘Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.’”
O Pr. Marcelo alertou a todos expondo que temos um chamado a cumprir, alcançar vidas, mais e mais, afinal, somos uma Igreja agregadora, e devemos chegar a todos os lugares, levando o nome de Jesus. Reafirmou essa necessidade dizendo que quando fomos alcançados por Deus recebemos Dele a autoridade para irmos e fazermos discípulos. A Obra é D’Ele, mas nós somos o seu instrumento.
O momento de louvor foi sublime, pois a rede Jovem abalou as estruturas louvando com intensidade, envolvendo a todos, com as canções: Temos um chamado, Santo Santo Santo, Deus é Bom, Eu sou livre e Quebrantado.
Nosso Pastor de células deu um testemunho sobre a sua conversão e de sua esposa, seguido de outros cinco, que de maneira diversas relataram os caminhos que percorreram para aceitar a Jesus, uns com muito sofrimento, resistentes, outros menos, mas todos, de maneira unânime deixaram clara a importância de Deus em suas vidas, o quanto é gratificante oferecer-se ao Senhor para servi-lo. Foi muito edificante.
Pelos testemunhos foi possível avaliar a importância da célula como instrumento de integração na vida das pessoas. A célula, quando reunida, forma uma família, e todas essas famílias juntas formam o Corpo de Cristo. Ficou claro que a visão celular não é só um discurso intelectivo, mas um projeto que Deus traçou para as nossas vidas, cumpre-nos desempenhar esse propósito.
Em seguida os presbíteros, pastores, líderes de Distrito e seus cônjuges, juntamente com o Pastor Francisco e Losângela, puseram-se em oração, intercedendo em favor do momento e dos presentes.
Em continuidade fomos “brindados”, ou quem sabe “blindados” com a palavra apresentada pelo Pastor convidado, Pr. Sabino da 1ª Igreja Presbiteriana de Taguatinga - DF.
Mateus – cap.16-13 – “Tendo Jesus chegado às regiões de Cesaréia de Felipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do homem?”
O Pr. Sabino disse haver recebido essa palavra numa virada de ano em sua Igreja, comentou que até então havia feito estudos sobre esse tema focando um outro prisma, mas naquele momento foi tocado e percebeu que ela também poderia denotar carência.
Remete-nos à Nazaré onde Jesus ministra a palavra ao seu povo, e em meio aos seus, se sentiu rejeitado. Rejeição é o pior dos sentimentos, fere diretamente o coração.
Lembra que Jesus foi Homem de muitas dores, uma delas presente em Mateus 14, que cita a morte de João Batista, primo pelo qual Jesus nutria grande Amizade.
Diz que quando se vive um momento de carência desejamos saber se somos amados, o próprio Cristo quis saber o que diziam a seu respeito. Todos nós temos necessidade de saber se somos importantes, seja em relação aos nossos filhos, esposa, amigos, enfim, “a gente quer saber porque a gente é gente”.
O Pr. Sabino foi perspicaz em sua pregação, pois, diante de tantos jovens, adolescentes e crianças, adaptou a palavra ao jargão jovem “tipo assim”, deixou o seu sermão ao alcance de todos, foi mesmo obra do Espírito Santo.
Comentou que na relação da Trindade, falar sobre o amor que se sente pelo outro é completamente natural e para ilustrar, cita diversas passagens onde o amor é declarado à exemplo da manifestação de Deus no momento em que Jesus é batizado, ainda, em Mateus 17 quando diz: “Estando ele ainda a falar, eis que uma nuvem luminosa os cobriu; e dela saiu uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo; a ele ouvi”.
Insiste dizendo que na relação da Trindade, falar o que se pensa de bom sobre o outro é uma realidade.
Falando um pouco sobre o seu trabalho, o Pr. Sabino comenta que seu foco está na ajuda às famílias, e isso, permitiu-lhe perceber o quanto de carência existe no âmbito familiar. Os pais não dizem aos filhos o quanto estes são importantes, e essa omissão causa marcas profundas. Essa falta de expressão de amor deixa um buraco que nunca mais se preenche, diz que não existe nada mais triste para um filho do que não se sentir amado por seus pais.
Ilustrando, contou suas próprias experiências, dizendo que sempre que voltava para casa, vindo da escola, esperava que ao dobrar a esquina, lá estivesse o caminhão de seu pai, de quem ouviria palavras de amor, palavras que nunca foram ditas, e essa falta colaborou para que seus próprios filhos as ouvissem, pois teve como propósito para sua vida, mostrar aos filhos o quanto são especiais.
Compartilhou um momento em que ameaçou o filho dizendo que iria à escola e diria diante de todos os seus colegas o quanto ele o amava, porém foi surpreendido pelo próprio filho, que antes de sofrer o “vexame”, gritou diante de todos que aquele era o seu pai, e que ele o amava.
Salientou que vivemos numa sociedade onde se exalta o que falta no outro, mas não se diz o que de bom o outro traz. Diz que as casas se tornam um departamento de cobrança, mas nunca se vê qualquer referência que demonstre que o outro é especial.
Fortalece seu sermão dizendo que o próprio Jesus teve necessidade de ouvir sobre si, por isso perguntou, ou então talvez tivesse ido à cruz sem nada ouvir. Dói não ouvir que se é especial. Fomos criados pelo Verbo da vida e temos necessidade de saber se somos amados, porém não há recíproca, esperamos ouvir, mas não falamos.
Conta diversos testemunhos que dão conta de quantas pessoas há que não se atinam que uma simples palavra poderia lhes modificar a vida.
Afirma que podemos revolucionar nossa casa, nossa célula, nossa Igreja, nosso trabalho, apenas dizendo aos nossos queridos o quanto são importantes para nós. Finaliza propondo que façamos uma aliança com Deus, demonstrando às pessoas que elas são especiais, propõe que criemos um vínculo de Graça.
Como ultimo canto a equipe de jovem apresentou a canção Entra na minha casa. Foi realmente um evento marcante, e será responsável pelo crescimento das células. Foi uma FESTA que despertou interesse, uma FESTA, onde, plagiando Olga, a primeira visitante da nossa célula, podia se sentir o cheiro de JESUS.

Madalena