Finalidade deste Blog

Olá, seja muito bem-vindo ao meu blog. Nele você encontrará textos de vários autores, inclusive o meu, é claro. Decidi fazer este blog para expressar meus pensamentos e minhas quimeras. Também estarei compartilhando mensagens bíblicas em texto e audio. Meu desejo é que você seja edificado. Então, deixe seu comentário e vejamos como nos edificaremos.

sexta-feira, 11 de março de 2016

Casais que vão a igreja juntos são mais felizes, revela pesquisa

O Instituto de Estudos da Família divulgou um estudo esta semana intitulado “Better Together” [Melhor juntos], coordenado pelos professores W. Bradford Wilcox, da Universidade da Virgínia e Nicholas H. Wolfinger, da Universidade de Utah.

A pesquisa mostra que os casais que frequentam um templo juntos – ou quando apenas o homem vai – são mais felizes do que casais em que nenhum dos dois frequenta – ou apenas a mulher vai.  Para efeitos do estudo, o termo “templo” equivale a qualquer tipo de reunião religiosa.
Entre as principais descobertas, está o fato que 78% dos casais que vão regularmente aos templos, afirmam que estão ‘muito satisfeitos’ ou ‘muito felizes’.
Por outro lado, consideram-se ‘felizes’ apenas 67% dos homens e mulheres em relacionamentos em que nenhum frequenta um templo. O número cai para 59% entre os casais onde apenas a mulher frequenta regularmente.
Explicando sobre qual a diferença nas relações quando está em questão a fé do homem, Wilcox e Wolfinger atribuem isso ao fato do que é ensinado pelas religiões. “Nossas descobertas sugerem que a prática religiosa dos homens é particularmente benéfica para os seus relacionamentos, porque eles são incentivados a investir em suas famílias”.
Esta não é a primeira vez que Wilcox realiza uma pesquisa sobre a ligação entre felicidade e vida religiosa ativa. Em 2008, ele conduziu um estudo que mostrava que as pessoas que frequentam reuniões religiosas regularmente estavam mais propensas a se descrevem como “muito feliz”. Com informações Christian Post e Gospel Prime.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Desde a juventude...

O salmista declarou:

"Desde a minha juventude, ó Deus, tens me ensinado..."
Salmo 71.17

Quão importante é o testemunho de um jovem que cresce na presença de Deus!

As vezes, valorizamos o ex-isso ou ex-aquilo...

Mas, o que dizer de um jovem que nasceu e cresce na presença de Deus?

Será que o poder de Deus que opera em sua vida é menor daquele que é operado na vida de um ex-qualquer?

Eu sei, o testemunho de restauração tem o seu valor!

Entretanto, é preciso ressaltar que o testemunho de filhos e filhas que recebem diariamente o ensino de Deus e livramento das obras das trevas é igualmente valorizado entre nós.

Por isso, louvamos a Deus pelos nossos jovens que vivem na Casa do Senhor, que O adoram e louvam o Seu Santo Nome. Que recebem do Espírito Santo o selo da salvação, a unção de capacitação, dons e talentos espirituais e vivem na fidelidade do Senhor.

Sim, o testemunho desses jovens é poderoso para nós. 

Deus seja louvado pela vida de cada um.

Grande abraço para todos que amamos muito. 
Marcelo Morais.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

A grande pequena fé de Pedro

Boa tarde, segue mais uma devocional. Essa foi ministrada no domingo passado.
Grande abraço.
Marcelo

A grande pequena fé de Pedro.

“E, prontamente, Jesus, estendendo a mão, tomou-o e lhe disse: Homem de pequena fé, por que duvidaste?” 
(Mateus 14:31)

Geralmente nossa fé é provada por dois instrumentos: circunstâncias e cansaço.

No texto de Mt 14.22-33 temos o episódio de Jesus andando sobre as águas. Antes, a tempestade estava aterrorizando os discípulos. O vento contrário é quase equivalente às circunstâncias contrárias que enfrentamos no dia a dia.

Além disso, eles estavam na quarta vigília da noite. Período que corresponde o tempo das 3h a 6h da manhã. Mesmo para os mais insones, ficar sem dormir nesse período é o que mais abala o organismo. O cansaço é enorme no dia seguinte e dura por todo o dia.

Pois assim é a provação da nossa fé. Circunstâncias contrárias e cansaço dos enfrentamentos.

Entretanto, Jesus, o Socorro Bem Presente, ao se aproximar, lança uma palavra de alento: “Tende bom ânimo! Sou eu. Não temais” (v.27)

Os discípulos aterrorizados, pensando que se tratava de um fantasma, tem o discernimento obliquado pela medo. Todos, exceto Pedro.

Pedro, em clara manifestação de fé, diz: “Se és tu, Senhor, manda-me ir ter contigo, por sobre as águas” (v.28)

A grande pequena fé de Pedro estava fundamentada na pessoa certa, Jesus. O Senhorio de Jesus era a mola propulsora da fé do apóstolo Pedro. Isso o levou a saltar do barco na água do mar! Que grande fé!

Mas, quando reparou nas circunstâncias, cansado na madrugada, Pedro veio a naufragar na fé. 

Foi o suficiente para Jesus observar: “Homem de pequena fé” 

Pequena fé? O homem pulou no mar aberto, andou sobre as águas por um tempo. Como assim, Jesus?

A grande fé de Pedro foi de pequena duração. Foi grande em sua expressão e pequena em sua extensão.

Dessa lição, o que podemos extrair para termos uma grande fé e mais duradoura?

1. Clamar, gritar, orar, suplicar. Enfim, mesmo com as circunstâncias contrárias e até com gemidos inexprimíveis, busquemos ao Senhor, clamemos ao Eterno, gritemos a Jesus Cristo, oremos ao Pai.

Nossa fé, por menor que seja, pois basta ser do tamanho de uma grão de mostarda, quando manifesta em clamor, oração, súplica ao Todo Poderoso, ganha a força e dimensão do Eterno, pois deixa de ser fruto de nosso trabalho e passa a ser esperança da intervenção Soberana de Deus;

2. Motivação certa. Interessante Pedro expressar sua fé para receber capacitação para enfrentar a tempestade e ir ao encontro de Jesus. 

Penso que alguns, quem sabe até mesmo eu, iríamos pedir ao Senhor diferente: “Senhor, acabe logo com esse flagelo e venha até mim!” 

Pedro teve outra motivação, fruto de uma grande fé. Ele, com fé em Jesus, quis enfrentar a tormenta e se aproximar de Jesus. A dificuldade não o fez desistir da comunhão com Deus e nem fugir dos problemas.

3. Consciência da transitoriedade da vida. “Subindo ambos para o barco, cessou o vento.” (v.32)

Assim como o homem é erva, que murcha, seca e o vento leva, tudo nessa vida passa.

O vento cessou. A tormenta acabou. A tempestade passou. Tudo passa!

Quando estivermos em meio as circunstâncias contrárias e cansados pelos desafios enfrentados, lembremo-nos: “Tudo passa!” 

A crise econômica passa. O sofrimento passa. A dor passa. A tristeza passa. Tudo passa!

Quem melhor expressou isso foi o apóstolo Paulo:
“Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós.”
(Romanos 8:18)

Tudo passará em tempo de viver no aqui e agora ou, certamente, em tempo de viver na glória o descanso e alívio da tormenta.

4. O propósito supremo, adorar a Deus e reconhecer ser Jesus Cristo o Filho de Deus.
“E os que estavam no barco o adoraram, dizendo: Verdadeiramente és Filho de Deus!” (v.33)

Sim, o fim último do homem é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre.

Então, mesmo em meio as circunstâncias contrárias e cansados, lembremo-nos disso: vamos adorar a Deus e glorificar Seu Filho, Jesus, o Cristo.

Façamos isso e teremos uma grande fé, mesmo que pequena, mas suficiente para vivermos o propósito de Deus em nossas vidas.

Deus nos abençoe,
em Cristo.
Marcelo Morais.

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

"Tudo depende da sorte e da ocasião"



“Eu descobri mais outra coisa neste mundo: nem sempre são os corredores mais velozes que ganham as corridas; nem sempre são os soldados mais valentes que ganham as batalhas. Notei ainda que as pessoas mais sábias nem sempre têm o que comer e que as mais inteligentes nem sempre ficam ricas. Notei também que as pessoas mais capazes nem sempre alcançam altas posições. Tudo depende da sorte e da ocasião.”
(Eclesiastes 9:11)

É interessante o pensamento dominante de que tudo nessa vida deve ser conquistado, deve ter mérito, deve ser feito a nossa parte e etc.

Meritocracia é o pensamento, ou sistema, de realizações e capacidades alcançadas pelo indivíduo em um desenvolvimento linear, ascendente e que busca sempre a proeminência. Afinal, tudo deverá ter o seu merecimento.

Todavia, o sábio Salomão escreveu o texto de Eclesiastes, inspirado pelo Espírito Santo, demonstrando uma curiosa faceta da vida. “Tudo depende da sorte e da ocasião”, disse ele.

Para entendermos melhor o que ele estava querendo comunicar, devemos ler alguns versículos a mais.

“Pois ninguém sabe quando a hora da desgraça vai chegar. Como aves que caem, de repente, na armadilha ou como peixes apanhados na rede, nós também podemos cair na desgraça quando menos esperamos.”
(Eclesiastes 9:12)

É aqui que reside o princípio do que Salomão estava querendo comunicar. O sábio percebeu em sua experiência que a humildade vale mais que a meritocracia, haja vista que nem sempre é o melhor que leva a melhor. E isso fica evidente quando observamos poderosos cairem, fortes serem derrotados, espertos serem ultrapassados, conhecedores serem superados. A chave está na dependência de Deus e na humildade para reconhecer isso.

“Não importa quão árduo seja o seu trabalho, ou por quanto tempo está nele (pensando que o seu caminho é o melhor), se você está trabalhando contra os princípios de Deus, você está trabalhando em vão.” (Jeff Tunnell)

Há um princípio a ser observado. Quando entendemos isso, sentimos a graça de Deus agir em nossas vidas. Continuamos no trabalho sério, em busca de conhecimento e sabedoria, força para enfrentarmos os desafios da vida e etc. Porém, como Salomão, chegamos à seguinte conclusão:

“De tudo o que foi dito, a conclusão é esta: tema a Deus e obedeça aos seus mandamentos porque foi para isso que fomos criados.”
(Eclesiastes 12:13)

Que o Senhor, que faz forte o fraco, sábio o inculto e rico o humilde, ilumine nossos corações e mentes para o cumprimento da Sua Soberana vontade.

Em Cristo,
Marcelo Morais.




sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Sem desanimar!

2 Coríntios 4:16-18

16 Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia. 
17 Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação, 
18 não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.

Desde que a humanidade, em Adão, se afastou de Deus, o sofrimento passou a fazer parte do currículo da sua existência.

Mais dia ou menos dia nos veremos em angústia, aflição e sofrimento. Em maior ou menor grau. Com maior ou menor duração. Com ou sem justificativa.

O fato é que durante nossa caminhada, enfrentaremos em algum momento a aflição resultante de um sofrimento.

Mas, como lidar com isso?

Como enfrentar a aflição sem desanimar?

O Espírito Santo inspirou o apóstolo Paulo para nos mostrar o caminho de como enfrentar as aflições com bom ânimo.

Mesmo em uma cidade, cuja pluralidade cultural e um sistema ético-moral corrompido pressionava os cristãos a se desviarem dos desígnios de Deus e se desanimarem diante de tal perseguição, o Senhor revelou que é possível enfrentar as aflições do mundo sem desanimar.

Como, então, manteremos o bom ânimo diante das aflições:

1. Investindo em nossa espiritualidade v.16

O homem externo se abate, sofre enfermidades, fica deprimido, cansado e etc.

Porém, o homem interior se renova quando investimos na Palavra de Deus, na comunhão com o Senhor da Igreja e com a Igreja do Senhor. Oração, louvor e adoração têm a capacidade de renovar nosso ser e apresentar essa renovação em ânimo diante das aflições enfrentadas.

É, como o apóstolo indica em outro lugar, se despir do velho homem que se desfaz em desânimo e se revestir do novo homem que se renova para o pleno conhecimento do Senhor, segundo a imagem dAquele que venceu o mundo e disse: "tenham bom ânimo"

2. Reconhecendo o poder transformador da Glória de Deus v.17

A tribulação tem o poder de nos angustiar apresentando que o sofrimento pode ser o estado normal do ser humano, a palavra final da existência.

Ela, a tribulação, é sempre fatalista.

Entretanto, o Espírito Santo mostra neste texto que o Senhor que transformou água em vinho, lama em remédio, palavra em cura, tem o poder de transformar a tribulação em glória. Aleluia!

Ele, o Eterno Deus, é que sempre tem a Palavra Final, e ao seu tempo tudo dirá: "Glória!"

Ele transforma o choro em alegria. A estéril em mãe de filhos. O enfermo em saudável. O pouco em muito. O pior no melhor.

Porque todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus.

3. Andando pelo fé v.18

O cristão vive pela fé. 

As coisas que estão invisíveis aos olhos naturais. Escondidas além do que a aflição pode alcançar, somente terão acesso pela fé, pois são envolvidas de eternidade. 

Algumas com aplicação em nossa caminhada terrena, outras na glória celestial, porém todas acessadas pela fé no Eterno Deus, o Todo Poderoso.

O que você vê no aqui e agora é temporal, passageiro, é como nuvem que se dispersa, fumaça que o vento leva, corredeira da chuva fora de tempo. Tudo passa.

O sofrimento passará. A aflição sumirá. A angústia acabará.

Alegre-se no Eterno. Exulte no Deus de sua salvação. Anime-se no Vencedor. Fortaleça-se no Todo Poderoso. Mergulhe nas Águas do Espírito Santo. Renove-se nas promessas de SENHOR.

Creia! É possível enfrentar as aflições sem desanimar.

Em Cristo Jesus,
O que nos enche de bom ânimo,
Marcelo Morais.